Francisca Rocha

O Brasil precisa de sua atitude, participe dos protestos do dia 13

Na próxima terça-feira (13), o Brasil vai parar em defesa da educação pública e da aposentadoria.

A Câmara dos Deputados aprovou na calada da noite a reforma da previdência em segundo turno e agora a nossa luta é para pressionar os senadores a rever essa decisão contra a nossa aposentadoria e nefasta ao país.

Ao mesmo tempo em que o Ministério da Educação (MEC) sofre cortes assustadores. Somente neste ano o orçamento do MEC já perdeu R$ 6,2 bilhões, sendo que recentemente R$ 348 milhões foram cortados para a aquisição de livros para a educação básica. Isso mostra o verdadeiro caráter da atual gestão do MEC em liquidar com a qualidade do ensino público, em benefício da educação privada.

Além de tudo isso, os últimos acontecimentos jogam sobre os nossos ombros a resistência ao fascismo. Vamos à luta sem medo de sermos felizes. O atual presidente ataca os direitos humanos de todas as formas, defende a tortura, a opressão às chamadas minorias e elogia notáveis torturadores.

Não desenvolve nenhuma política para a superação da crise e a criação de novos postos de trabalho. Ataca a educação, a cultura, os movimentos sociais e apregoa que é “difícil” ser patrão no Brasil, mas não faz nada para melhorar a vida das trabalhadoras e trabalhadores. Pelo contrário, age para cortar direitos conquistados com muita luta e abnegação. Acabou com a Política de Valorização do Salário Mínimo que afetou a vida de milhares de aposentados e a economia dos municípios menores.

Tudo isso somado às publicações da “Vaza Jato”, do site Intercept Brasil, denunciando a ação ilegal e imoral dos operadores da Lava Jato ao mostrar a parcialidade e a manipulação feita para prender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo sem provas e sem o direito a ampla defesa. O episódio da transferência de Lula para um presídio paulista mostra a desumanidade dessa gente.

Com todas as denúncias, o Supremo Tribunal Federal finalmente resolveu agir e de modo avassalador derrotou esse tiro no pé desesperado dos operadores da Lava Jato. Além de denunciar as falcatruas do ex-juiz Sergio Moro, premiado com o Ministério da Justiça, e de procuradores da Lava Jato em acabar com as construtoras brasileiras e com a Petrobras para entregar o nosso mercado para grandes empresas dos Estados Unidos, a quem o atual presidente alinha integralmente o Brasil, transformando-nos num verdadeiro quintal da potência mundial. Mesmo sabendo dos prejuízos para a nossa economia e para as relações exteriores.

O atual presidente nomeia parentes e amigos indistintamente para cargos no governo, libera verbas despudoradamente para a aprovação da reforma da previdência, insufla a violência e a invasão de terras indígenas, libera indiscriminadamente a utilização de agrotóxicos, muitos deles proibidos em países do primeiro mundo, e permite a devastação da Amazônia, sem se preocupar com o futuro do planeta.

Como podemos ver razões não faltam para tomarmos as ruas de todas as cidades no dia 13. Do Oiapoque ao Chuí não podemos ficar de braços cruzados. Como disse o sociólogo Jessé Souza: “Ou acabamos com ele ou ele acaba com o país! Simples assim”. Todas e todos às ruas no dia 13 para salvar o Brasil, a educação, a saúde, a justiça, enfim a vida das brasileiras e brasileiros.

* Secretária de Assuntos Educacionais e Culturais do Sindicato dos Professores de Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), secretária de Saúde da Confederação Nacionaldo Trabalhadores na Educação (CNTE) e dirigente da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB-SP).

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Portal Vermelho



Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS