Brasil

19 de abril de 2017 - 16h01

Curso de Nível II destaca importância da formação frente a desafios


   
A turma diversificada, formada por mulheres, jovens, sindicalistas, vereadores, dirigentes municipais e até gestores, como o prefeito da cidade cearense de Uruburetama, Doutor Hilson, foi recebida por representantes da direção estadual do Partido no Ceará. Na aula inaugural, Benedito Bizerril, vice-presidente do PCdoB-CE, destacou a importância da realização do curso neste momento difícil pelo qual o país vive.

“Vivemos uma crise sem precedentes, por sua dimensão, complexidade e profundidade, com ameaças à soberania nacional, às riquezas do país, aos direitos sociais e ao Estado Democrático de Direito. Além disso, neste ano, comemoramos os 100 anos da Revolução Russa, que abriu para o mundo as condições de que os trabalhadores e oprimidos poderiam assumir o comando e levar melhores condições de vida ao povo. Este curso tem grande importância porque acrescenta conhecimento, instrumento para a luta em que o Partido, como em outros momentos da história, se agiganta. Sabendo que o inimigo a ser derrotado é forte, devemos, através do debate político, nos preparar. Cada um de nós tem um papel neste processo nos fortalecer, tanto do ponto de vista político quanto ideológico”, defendeu.

Luis Carlos Paes de Castro, presidente do PCdoB-CE, reforçou que o curso faz parte de um esforço da direção nacional do Partido de oferecer a formação de quadros e militantes. “É uma ferramenta de despertar para, ao sair daqui, vocês voltem para suas bases, nos locais onde atuam, para continuar os debates, o estudo e o cuidado da formação de outros militantes”, defende.

Sobre a formação, o dirigente comunista afirma que o Partido se constitui em cima de ideologia, pensamento, teoria. “Nossos quadros e militantes precisam assimilar este pensamento, instrumento fundamental para que os que sonham com um mundo novo, livre da exploração do homem pelo homem, sem desigualdades. Só com o estudo, podemos compreender e descortinar novos caminhos com melhores condições de nos orientar nesta tempestade de crises política, econômica e moral. E este instrumento é o marxismo-leninismo”, ratifica.

Resolução política

Em sua intervenção, Luis Carlos Paes abordou a resolução política do PCdoB, recém aprovada em reunião ampliada do Comitê Central do Partido, realizada dos dias 31 de março a 2 de abril deste ano, em São Paulo, que debateu o quadro político no Brasil e no mundo. “O encontro reuniu cerca de 250 quadros, de todos os Estados. A resolução é fruto do esforço coletivo de construção do pensamento do PCdoB. Agora, nosso papel é discuti-la e popularizá-la nos nossos organismos partidários. De certa forma, o documento abre o processo de debate, embora não convocado oficialmente, do nosso 14º Congresso. É fundamental que todos os quadros e militantes estudem este instrumento político que deve nortear nossa ação para os meses que antecedem o Congresso”, pontua.

A resolução intitulada “Frente Ampla para Combater o Governo Temer e Desbravar Saídas para o Brasil” é dividida em cinco temas principais: Conflitos e tensões na transição da Ordem Mundial, ofensiva imperialista e luta dos povos; Indicações para um balanço dos Governos Lula e Dilma; O Pós-Golpe: Um governo ilegítimo contra o Brasil e o Povo; Resistência à agenda neoliberal e saídas para o Brasil; e Fortalecer o PCdoB e elevar seu papel na resistência.

Paes reforçou ainda a importância de mobilização para as manifestações organizadas em todo o país que acontecerão no próximo dia 28, contra as reformas do governo golpista de Michel Temer. “Desde o golpe, estamos na defensiva. O que aconteceu não é contra a esquerda, mas contra um projeto de país que beneficia a maioria do povo. Só a mobilização popular, o povo nas ruas e a construção de uma frente ampla em torno de um projeto de desenvolvimento podem frear este avanço da direita. O PCdoB faz um chamamento à nação: resistir e construir uma grande unidade”.

O comunista cearense reforça ainda a necessidade de fortalecer o Partido, com organização e funcionamento das bases, “principalmente no meio dos trabalhadores”, onde possa ser discutida a luta do dia a dia. “Fazemos parte de um partido vivo, que participa, que estuda, que discute”, avalia. O dirigente ressalta também o papel dos quadros na construção do 14º Congresso do PCdoB, que terá a plenária final em novembro deste ano. “O papel de todo comunista é estar na luta, esclarecendo a sociedade, por um país mais justo, democrático, soberano e desenvolvido, percorrendo um caminho de uma sociedade socialista”, defende.

Após a aula inaugural, foi aberto o espaço para intervenção dos camaradas. O curso continua até o domingo com aulas de Filosofia, Economia, Estado e Classes, Socialismo, dentre outros temas, conforme programação.




De Fortaleza,
Carolina Campos

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais