Brasil

12 de outubro de 2017 - 14h29

Battisti diz que Temer quer entregá-lo à morte


   
"Não sabemos em que se baseia o gabinete jurídico da Presidência para que eu possa ser extraditado. Não sei se o Brasil vai querer se manchar sabendo que o governo e a mídia criaram este monstro na Itália. Vão me entregar à morte", declarou, em entrevista a Ricardo Galhardo, do Estadão.

Ele nega tentativa de fuga para a Bolívia e afirma que sua prisão, em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, na semana passada, foi uma "armação" para pegá-lo.

Temer já recebeu o apoio de dois ministérios de seu governo – Justiça e Relações Exteriores – sobre a decisão de revisar o asilo concedido pelo governo do ex-presidente Lula ao italiano, mas aguarda ainda uma manifestação do Supremo Tribunal Federal antes de bater o martelo sobre o caso.

Caso a Corte demore a se manifestar ou entenda que a decisão cabe ao Executivo, o Planalto também já prepara um parecer, elaborado pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil. A tendência é que Temer decida pela extradição.

A defesa de Battisti diz acreditar que Temer irá respeitar as normas e não extraditará o italiano. "A revisão da decisão presidencial não é mais possível, devido ao decurso do prazo e ao fato de não haver qualquer vício na conclusão final, como reconhecido pelo próprio Supremo Tribunal Federal", diz.

Segundo disse em nota o advogado de Battisti, Igor Tamasauskas, a defesa entende "ser imprescindível sua manifestação prévia em qualquer procedimento tendente a reabrir a discussão sobre sua extradição". "E Battisti sequer foi intimado para isso", completa.


 Fonte: Brasil 247

  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais